segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Cozinha do Blues com Ney Neto

Já tem alguns anos que conheço este músico extraordinário. Tive o prazer de fazer um som com ele em um ensaio de uma antiga banda de blues, mas infelizmente ele não pode, por algum motivo que não me lembro, ocupar a vaga de baixista da banda.

Alguns anos se passaram e seu talento cresceu muito mais. Dono de um som grave e poderoso, Joveneis Neto, mais conhecido como Ney Neto está preparando um CD solo, que por sinal será um trabalho que não vai poder faltar nas nossas coleções de CD.

TB: Não é comum um baixista lançar um CD solo. Como surgiu essa idéia?

NN: "Isso era um sonho antigo que eu tinha, que parecia muito distante por causa de todas as dificuldades que nós músicos conhecemos e enfrentamos quando o assunto é gravação. Então uma grande amiga minha e uma das maiores musicistas que já conheci, Tatiana Maciel (a quem presto minha homenagem, pois nos deixou em maio deste ano), me chamou para participar de um projeto de um selo de médio porte de Oregon, nos Estados Unidos, chamado Origins.

Eles estavam produzindo um CD com 28 músicas gravadas por instrumentistas de diversos países que seria utilizado como ambientação da megastore Macy's, que você encontra em todo lugar nos EUA. Eu mandei uma pré-produção de três composições: Affliction, um tema em 6/8 chamado Hardy e uma faixa com uma pegada mais latina, chamada You are so Wellcome, com uma guitarra meio Carlos Santana e um duo de baixo/violão na hora do solo...

Tive a felicidade da música Affliction ter sido selecionada para compor o CD e então a gravadora me pagou pela produção da faixa+direitos autorais pela obra e o cachê. Com esse dinheiro consegui comprar o necessário para montar um home-studio e continuar o projeto, que afinal de contas já tinha três faixas gravadas. Foi uma experiência muito legal porque durante o processo de composição das faixas até a Dri, minha esposa ajudou. Inclusive foi ela quem escolheu o nome Affliction para a música eleita pela Origins. Eu lembro de dizer: "Mas amor, é um nome meio estranho, significa Aflição, será que vão gostar?" E aí está! Foi assim que começou a gravação do CD Electricity."

TB: Alem do baixo, você gravou mais algum instrumento?

NN: "Fiz algumas programações, gravei violão em algumas faixas e até uma base de guitarra em duas composições (mas só a base! Os solos deixei para os feras das 6 cordas...rs). Mas só os baixos já deram trabalho à beça...rs.Nesse Cd foram utilizados baixos de 4 e 5 cordas, fretless e fretted, e em uma música um fretless 6 cordas, mas só porque a melodia foi composta no violão e pedia alguns agudos que os outros baixos não tinham, porque para ser sincero não me adapto muito ao baixo de seis cordas.

A idéia era ser um CD gravado só com baixos elétricos (por isso chama-se Electricity), mas não resisti.

O solo de piano ficou tão bonito na música Ma-Hí que acabei gravando a condução durante o solo com um baixo acústico... Ficou bem legal."


TB: Escutei uma faixa do seu Cd, onde tem a participação do gaitista Oswaldo Moraes, o Cachorro Loiros. Além dele o CD conta com mais participações?

NN: "Puxa vida! Esse CD é uma grande festa, com a participação de amigos de diversas épocas, estilos musicais. Um lance muito legal. Essa faixa que o Cachorro gravou é uma versão de People Get Ready, do Rod Stewart, com a melodia tocada no baixo utilizando as técnicas de slap e double thumbing... Essa música é show de bola. Um grande meu (de música e de vida), o famoso Creck, me deu um CD de uma banda de uns amigos dele, chamada "Jazz que é Blues" que tinha essa música e eu adorei a roupagem que eles fizeram... inclusive, foi também ele que me apresentou o Cachorro Loiro, com quem tive o prazer de fazer algumas canjas com a Black Coffee em diversas ocasiões e sempre muito legais.

Além do Oswaldo, no Electricity tem a participação da Tatiana Maciel, ao piano, em uma música muito bonita chamada May Day, composição dela com o maestro americano Michael Bown.
Evandro Araújo, grande guitarrista de blues gravou guitarra em Affliction, People Get Ready, You're Wellcome. Fernando Bonfá: beat-box, Thiago Martins: violão.
As composições são minhas, do Max Perinéu (baixista argentino), Michael Bown, Rebecca Wilkie, Tatiana Maciel, Thiago Martins.

As regravações são: Um a Zero (Pixinghuinha), People Get Ready (Rod Stewart), Samba 88 (Carrie Allynson). Uma das faixas foi gravada ao vivo com meu quarteto atual, Quarteto Jazzy, com Zafe Costa (sax), Wagner Ramos (drums), Vinicius Gomes (guitarra) e Abelita Brandão (piano)."

TB: Quando o seu trabalho fica pronto?

NN: "Já estaria pronto, mas sempre dá vontade de mudar alguma coisa, ou acrescentar. Essa coisa de fazer arranjo é uma loucura. Agora falta pouco, estou concluindo a gravação do Samba 88, que vai ter uma participação especial do Thiago Espírito Santo, no baixo... engraçado é que estou trabalhando essa faixa em meu disco e o Quarteto Jazzy foi contratado para fazer uma trilha para uma produtora, mostrei esse tema e eles adoraram, então ao mesmo tempo estou gravando essa mesma música com uma roupagem completamente diferente.

Além disso, recebi um mp3 de uma música chamada Alma Desnuda e fiquei apaixonado. Estou em contato com o autor e se ele permitir e chegarmos a um acordo certamente essa música fará parte do CD, com um arranjo mais voltado para o contrabaixo.

Devo esperar o carnaval passar pra lançar o disco, assim aproveito que o país todo fica meio paradão pra mixar as faixas. A demora se dá porque além de músico eu trabalho na área de eventos, na indústria farmacêutica."

TB: Fora o CD, quais são seus outros projetos?

NN: "Desliguei-me agora no segundo semestre da banda de música instrumental do SESC Vila Mariana. Estou me dedicando aos projetos com o Quarteto Jazzy, que requer um grande tempo de estudo, já que tocamos versões instrumentais de standards do jazz, blues e bossa nova com muito improviso.

Além da temporada de shows no Crowne Plaza, que vai até o fim desse ano, estamos começando a gravar as músicas que farão parte da trilha 2008 de uma loja aqui no Brasil. Além disso, tenho uma rotina diária de estudos, que envolve teoria, técnica, leitura, métodos para baixo fretless, fretted, acústico com pizzicato e com arco... Esse tempo de estudo é sagrado e quando mais estudo mais coisa aparece para aprender...rs

Atualmente tenho estudado um material do guitarrista Vinicius Gomes, do quarteto de jazz que eu toco, tem sido uma grande influência."


TB: Muito obrigado pela ajuda, e continue nos presenteando com seu som magnífico. Agora eu deixo este espaço para seus comentários finais.

NN: "Primeiro quero parabenizar a iniciativa e a qualidade do material do blog. Muito legal mesmo. Mando um abraço a todos os músicos que estão comigo nessa caminhada de alguma forma, especialmente aos três grandes mestres que tive: Itamar Collaço, Nilton Wood, Gilberto de Syllos (acústico) É isso aí! A música sempre está nos aproximando e nos unindo de alguma forma.

Muito som pra vocês..."


(A night in Tunísia (Dizzy Gisleppie) com a banda instrumenta do SESC Vila Mariana)
Veja mais:
- Página no Myspace
- Quarteto Jazzy
- Algumas músicas do CD Electricity

Atenção: Quarteto Jazzy no Crowne Plaza: toda quinta-feira das 20h às 23h - Rua Frei Caneca, 1360 (Favor conferir a programação)

6 comentários:

Anônimo disse...

Nossa que maravilha, esse Neto é um fera mesmo, confesso que tremi ao gravar com ele, mas me deu um enorme prazer me senti honrado em fazer esta faixa com ele, pelo som e pela consideração do seu convite.
Bom, elogiar o som desse menino é so chover no molhado, mas que o som é fera é .
Agora aguardamos anciosamente o lançamento do cd, que esta maravilhoso.
Neto, paz, felicidade e viva a musica
OSWALDO BLACK COFFEE

Anônimo disse...

Esse camarada é fera demais...
Além de ter muita técnica esbanja feeling... além de ser um baita cara humilde e gente boa... Assisti esse show no SESC e posso dizer que toda a platéia ficou admirada não apenas com esse solo postado no blog mas com um outro solo que ele fez na música Bananeira.. .só com SLAP... absurdo...
Um abraço e quebra tudo!
Davi

L.A. disse...

Fala Netão, tudo bem?

Fico muito feliz em ver seu trabalho tomando forma e sendo mostrado a um público cada vez maior. Parabéns e boa sorte nessa dificíl caminhada. Dificíl mas muito gratificante, sabemos disso!!!
L.A.
Banda Artemisia

Marcelo Alves Sax disse...

Primeiro quero dizer que adorei o site! Agora, comentar sobre o Mr. Neto é no mínimo interessante. Conheço ele desde 98 e tocamos juntos em várias bandas de baile até 2001, quando perdemos o contato. No ano passado, porém, fui ao teatro do SESC Vila Mariana assistir a um amigo meu tocar com o mestre saxofonista Nailor Proveta.
Houve um momento do show em que o Proveta ficou improvisando apenas ele e o baixista. Foi um momento incrivelmente bonito... embora eu tentasse exergar o baixista e não conseguisse, pois eu estava no fundo do teatro lotado e o baixista atrás de todos os metais.
Ao fim da apresentação pedi ao meu colega que me apresentasse o baixista, e pra minha surpresa, reencontrei um grande amigo, além de grande músico. Aliás.. eu adoraria ver aquele show novamente (foi gravado?)...Respect!
Um abraço Netinho!

Anônimo disse...

curti muito as músicas do link postado aqui... como já disse em outra ocasião: A PURA MALDADE JAZZ...
Abraços Will

Anônimo disse...

manda muito!!!